TOE – Transtorno Obsessivo pra lá de Esquisito

livros

Para Catita

O ser humano tem muitas neuroses.

Algumas são sérias, complexas, perturbadoras. Outras são engraçadas, meio patéticas, surreais. Mas hoje eu fiquei pensando que talvez o primeiro passo para curar uma neurose é ter coragem para olhar para ela de frente, assim como quem enfrenta um demônio num deserto. Você e ela, ali, cara a cara. Sem máscara, sem mentira. Sem panos quentes, sem vergonha. Olhar assim, de verdade. A conscientização de uma neurose pode ser um marco. O início mesmo de um processo de cura. Uma libertação definitiva da coisa que faz a gente ser, esse bicho esquisito que a gente é.

Eu, por exemplo. Eu sei que eu tenho um leve nível de TOC correndo nas minhas veias. Para quem não sabe, TOC é a sigla para o transtorno obsessivo compulsivo, um distúrbio psiquiátrico que faz as coitadas das pessoas terem “pensamentos obsessivos e compulsivos, comportamentos considerados estranhos pela sociedade ou por si próprios; normalmente trata-se de ideias exageradas e irracionais de saúde, higiene, organização, simetria, perfeição ou manias e “rituais” que são dificilmente controláveis”. Pois é. Eu tenho um pouquinho dessa coisa aí. Uma coisa leve, assim, quase imperceptível a olho nu. Mas eu tenho. E toda a vez que eu percebo a coisa em mim, um sininho toca e eu fico bem aborrecida com o fato. Não, eu não fico aborrecida. Eu fico me sentindo prisioneira de uma coisa que não precisava ser.

Deixa eu explicar melhor.

Desde pequena eu tenho um lance com arrumação. Minha mãe sempre foi super organizada. Minha avó era metodicamente organizada. Então de alguma forma, alguém me ensinou que a ordem sobre o caos é uma coisa positiva. Até aí tudo bem. A questão é quando a coisa começa a se desequilibrar e se torna uma obsessão, isto é, um apego exagerado a uma ideia de que tudo tem que estar milimetricamente no lugar. Eu tenho para mim que muito do meu TOC tem a ver com um caos interno. As coisas aqui dentro já são tão bagunçadas que eu fico arrumando desesperadamente o lado de fora na esperança de que dentro as coisas vão se organizar melhor. Eu até já escrevi um texto sobre isso: sobre as minhas arrumações compulsivas dos armários quando estou deprimida. Mas ultimamente tenho percebido que a coisa extrapolou o armário e tomou conta da casa toda.

A coisa é mais ou menos assim. To passando do quarto para a sala. Olho de butuca de olho a pilha de livros que está lá na estante do outro lado da sala. Os livros estão empilhados de qualquer jeito. Assim, uns por cima dos outros, mas sem nenhuma simetria estética. Cada um olhando para um lado. Eu não sossego enquanto não vou lá para empilhá-los direitinho. Não é uma atitude meio esquisita? Isso já foi pauta de terapia. E dever de casa desafiador no grau máximo. A tarefa era simples. Olhar a pilha de livros e ficar contando, respirando no incômodo, até me libertar do desejo louco de ir lá arrumá-los. Ahhhhhh. Que agonia!

Quando comecei a pensar nesse texto e no tema polêmico do TOC, liguei para minha irmã, que na minha modesta opinião, está alguns níveis acima da minha loucura. Aquela ali tem TOC brabo, mas não se incomoda com isso. A casa dela é Casa Cláudia e ela se orgulha disso. Tudo está sempre pronto para ser fotografado. Não há uma gavetinha sequer naquela casa que não esteja em ordem total. Mas eu estava aflitíssima ao telefone:

– Má, fiz a besteira de entrar num site para pesquisar os sintomas de quem tem TOC. Cara, eu tô num nível básico em quase todas as listagens. Você acha isso grave?

– Ti, se acalma. A gente foi criada assim. Não lembra que a gente não podia brincar na casa da vovó para não desarrumar nada?

– É, eu lembro.

– Nossa mãe tem o armário arrumado em degrade de cores, cara. Isso tem um peso nas nossas referências.

– É, você tem razão. Mas eu quero me libertar disso.

Para quê secar a bancada da pia depois de lavar a louça? Por que fazer a cama e ficar paranoica que alguém vai sentar e engruvinhar toda a colcha que você acabou de esticar? Pra quê se preocupar de fazer bolinhas com as meias e calcinhas depois que as tiramos do varal? Por que passar Veja tantas vezes na mesa da sala? Por que se importar tanto com as impressões digitais gordurosas no vidro da varanda?

Não pensem vocês que me orgulho de ser assim. Se pudesse mudar alguma coisa em mim, com certeza que essa neurose de arrumação estaria no topo da lista. Claro que eu gosto de ver as coisas organizadas, limpas, cheirosas. Me orgulho de saber que não sou uma acumuladora e que na minha casa não tem nada quebrado ou fora de uso. Arrumar o lugar onde a gente mora tem a ver com honrar de alguma forma tudo que foi conquistado. Eu sei. Mas também sei aqui dentro de mim, que a linha que divide a ordem do ambiente para uma coisa psicoticazinha de arrumação é bem tênue. E assustadoramente esquisita.

Minha irmã teve um professor de história da arte que disse que 1% da população mundial tem alguma preocupação com estética. Taí. Deve ser isso. Eu sou um desses caras. Estética é um ramo da filosofia que tem por objetivo o estudo da natureza da beleza e dos fundamentos da arte. Talvez meu lance lá com os livros assimétricos fale de uma necessidade filosófica de tornar o ambiente da minha casa bonito e equilibrado. Até aí tudo bem. Mas o que me incomoda é perceber que sou prisioneira dessa estética. Eu não conto para ninguém, mas depois que Marly vai embora na segunda-feira – depois de um dia auspicioso de faxina – eu saio consertando objeto por objeto na casa, arrumando as coisinhas na simetria lógica da minha cabeça que não tem lógica nenhuma. Ou tem?

Ah, sei lá. Esse é um assunto que dá muito pano para manga. Das muitas características bizarras de quem sofre TOC realmente essa da arrumação – em mim – me parece a pior. Eu sei que tem muita gente que padece com essa doença. Que fique aqui registrado meu profundo respeito e compaixão para quem luta com esse dragão. Só mesmo a psicanálise para explicar tanta esquisitice. Ou não. Dizem as pesquisas que apesar de vários estudos publicados o TOC ainda é considerado um “enigma” e continua sendo um desafio para os pesquisadores.

Na minha pesquisa pessoal, descobri que algumas sensações mentais se repetem no coração de quem sofre a coisa: percepções ilusórias de se “sentir em ordem”, sensação constante de incompletude, de “ter que” fazer alguma coisa e por fim, a sensação de esvaziamento da energia interna. Nossa. Essas sensações me parecem ser de um profundo sofrimento subjetivo.

Escrever é um processo de cura para mim. Compartilho com o mundo as minhas neuroses para ver se com isso consigo dar uma meia dúzia de socos nesses demônios que me atormentam. E na esperança também de ajudar alguém que talvez sofra do mesmo TOE que eu. Porque gente, não dá para ficar levando a vida tão a sério né. Tudo bem. A gente é esquisito. Mas eu não quero ficar me martirizando com isso. Eu quero rir disso. Talvez a verdadeira libertação das neuroses esteja no segredo de rir delas. Ou escrever sobre elas. Cada um com a sua possibilidade de libertação exorcizante. Nietzsche dizia que “temos a arte para que a verdade não nos destrua”. Eu tenho as palavras para que as neuroses não me destruam. Aho!

20 ideias sobre “TOE – Transtorno Obsessivo pra lá de Esquisito

  1. Eu achei brilhante …mesmo pq .. Meu armário é degradê e a primeira parte do mercado que faço são os itens de higiene do lar, se possível muito cloro, muito álcool, muito cheirinho bom!! Se vou sair de casa, volto ao mesmo cômodo algumas vezes para ver se estar tudo no lugar, preciso de guardar bijus e makes com perfeição … Sapatos todos em saquinhos devidamente higienizados .., gjussiiii é muito toc para uma mulher só !!!

  2. Nesses segredos da alma reside o paradoxo do interno com o externo, arruma-se de um lado e desarruma-se do outro, mas qual está desarrumado ? Brilhante esse texto, mostra o quão é importante exteriorizar para exorcizar. Beijos

  3. E a energia fisíca que gastamos arrumando uma coisa sem importancia quando deviamos estar usando nossa produtividade fazendo outras coisas mais importantes? aafff…

  4. Já dei muitas gargalhadas com esses TOCs ou TOEs, apesar do risco que estava correndo. Principalmente com os da Manu… cara, é surreal. Mas falando sério agora, já pensou na idéia de ridicularizar a pilha de livros assiméticos? Quando li o texto a primeira coisa que me veio na cabeça foi o filme do Harry Potter, onde o professor bruxo ensina aos garotos a não terem medo do bicho papão. Como? Ridicularizando ele. Quem sabe não ajude a diminuir a importância da falta de simetria? Depois me fala… Bjs

  5. Olha aí…Minha Mãe é lindamente organizada…e eu sou um dos maiores bagunceiros que conheço. Minha casa é uma zona…Meu TOC é outro…e não quero falar sobre o bicho agora. Tá?

  6. Tati , pode passar um pouquinho da sua arrumação para mim !!! Você ia infartar na minha casa !!!! Tento manter as coisas arrumadas , mas não dura nem um dia , acaba que fica tudo desarrumado…Agora mesmo tem uma pilha de roupas para lavar ,à tarde botei na máquina e desisti fui para rua !!! Lavei a louça pela manhã e já tem mais louça na pia …. É trabalho sem fim …. As gavetas um emaranhado de roupas … kkkkk.
    Bjs
    Adorei o texto !!! 👏👏👏
    Mas quanto as neuroses …. Tenho muitas !!! 😱😱

  7. Difícil mesmo conviver com TOC. 4 anos diagnosticada, tratamento psiquiátrico e terapia me ajudaram a lidar com ele. Muito difícil, pois tenho a expressão avassaladora. Aos 22 anos pedi a Deus para me levar, pq não aguentava mais os pensamentos obsessivos de doença. É um tema muito delicado de tratar, embora em algumas pessoas interfira mais na forma de agir, especialmente em atividades do cotidiano, em outras é uma linha tênue entre a razão e a loucura, entre a vida e a morte. Resumo o TOC : DESESPERO! Muito importante o acompanhamento com um médico consciente, humanizado… por isso agradeço a Deus pelo anjo que colocou em minha vida. Minha medica!!! Foi a forma que a vida encontrou de me trazer novamente a ela.

  8. O meu é com simetrias quando estou dirigindo teatro e na vida contar quadrados de calçadas e degraus de escada. também nível levíssimo. Não volto atrás se me perco na contagem! Vou em frente, que eu não sou doido de dar tratos à bola! E quem puder que atire a primeira pedra, iaiá…

  9. Ah Bia querida… que transtorno maravilhoso esse que você encontrou. O mundo agradece! Saudade imensa de te ler e te ver!

  10. Claudia! Um dia eu ainda vou conseguir colocar meus sapatos em saquinhos higienizados! Acho isso o suprassumo do luxo, não do TOC! Também tenho um lance com as minhas bijus… ah que delícia não me sentir sozinha!!!!! Beijos!

  11. Carlos, meu querido! Como é bom te ler aqui confabulando… gostei demais da sua pergunta: “que lado afinal está desarrumado?” Me pergunto isso sempre… e sigo arrumando os dois para ver se acalma a alma! Beijo meu amigo!

  12. Livia querida… sim sim sim… uma das coisas que mais me desespera é sentir esse tempo um tempo perdido precioso de vida… que delícia te ler por aqui! Beijo e obrigada pela presença… 🙂

  13. Rafa!!! Me ensina a ser desorganizada! Acho uma coisa incrivelmente libertária! Me ensina! 🙂

  14. Martha, minha amiga querida! Que bom te ler aqui! É isso mesmo, é um trabalho sem fim, por isso acho tão esquizofrênico ficar louca… se é infinito! Hahahahaha Te adoro querida!

  15. Claudinho! Contar quadrados na calçada é coisa de Jack Nicholson em “Melhor é Impossível”! Hahahahaha Amei! Beijo querido!

  16. Minha querida, com certeza você tocou no ponto chave: não é o que as coisas fazem com a gente que é o mais sério da questão, mas o que a gente faz com isso! A chave é essa! Quem está no controle? Quem guia o meu carro nesses momentos? Baghavaghita, lembra?! Te amo! Com TOC, TOE ou sem… beijos

  17. Interessante de se pensar em como os TOCs de pequena medida são considerados apenas “manias” mas como se sofre! A mim o que traz mais sofrimento – quanto à tal propalada arrumação – é ver a casa desarrumada e sem a minha dedicação. Não é o pequeno detalhe mas a sensação de abandono. Isso dói, e posso chamar de “transtorno”…

O que achou?