Processo Funil

Radha

Arte de Francina LaXisca

É batata! Basta entrar dezembro no calendário que a minha alma começa a querer viver o mesmo ritual de sempre: o processo funil.

Tem coisas que são da gente e por mais que a gente tente, não consegue mudar. Eu sou assim com os rituais. Não consigo sentar para escrever sem acender uma vela, um incenso e pedir à benção do Grande Espírito. Não consigo mais dormir sem agradecer todas as coisas divinas que tenho. Não consigo mais tomar banho sem mentalizar que aquela água me limpa por fora e por dentro. Os rituais nos ajudam a viver. Nos ajudam a integrar sensações, resolver sentimentos. A encarar melhor a insanidade maravilhosa que é viver.

O processo funil também é um ritual. Acho que um jeito maroto que a minha alma encontrou para não se perder. E começa no início do mês para dar tempo de fazer a limpa em todos os setores do organismo e da alma. Tipo um Clean Master da pessoa. Ele vai escaneando todos os meus arquivos internos e vendo o que precisa ser jogado fora. É muito bom. Como se fosse uma retrospectiva da sua vida, só que meio resumido, feito um filme. Parece incrível, mas olhar a vida sob uma perspectiva distanciada nos dá uma noção subjetiva bem interessante das coisas.

Eu gosto muito quando o processo funil começa. Assim como eu adoro começar uma faxina. Sabe aquela energia de arregaçar as mangas para o trabalho? É isso que eu sinto. Claro que cada um vai encontrar o seu próprio mecanismo. Eu por exemplo adoro fazer listas porque elas tem o poder mágico de sintetizar as minhas bagunças internas. Então eu sento e começo a listar tudo que me vem à cabeça. As melhores lembranças do ano, as piores. O que eu quero mudar no ano que vem. O que eu quero fazer nas férias. O que vou mudar na casa. O que de jeito nenhum quero viver mais. Os lugares que quero visitar. Os livros que quero ler.

É preciso olhar e celebrar o que deu certo. Jogar fora o que não deu. Cuidar com afeto aquilo que não foi bem compreendido. Digerir o que ficou entalado. Deixar ir aquilo que não serviu. Ritos de passagem requerem coragem. Não é um processinho fácil não. Às vezes pode ser doloroso e esquisito. Mas muitas vezes pode ser divertido também. O ideal é que a gente se divirta com o processo e encare os fatos com leveza.

No meu pente fino desse ano eu já descobri algumas coisas. Mas a que mais tá me incomodando foi ter descoberto que a grande promessa que eu fiz a mim mesma no ano novo, eu não cumpri. No réveillon de 2014 eu prometi que em 2015 eu faria dança de salão. Eu tenho loucura para voltar a fazer dança de salão. Tá, mas então o que é que aconteceu? Por que eu não consegui? Foi por falta de tempo? Por falta de lugar? Dinheiro? Preguiça? Aiiii. No processo funil nada passa batido.

Eu também não meditei tanto quanto gostaria, não cuidei da minha saúde como deveria. Li bem menos livros do que prometi, fiz bem menos exercício do que precisava. Mas em compensação realizei meu sonho de abrir um site e escrever um texto por semana, trabalhei arduamente pela Escola que amo, cuidei com bravura das minhas filhotas, passei quase cinco meses sem comer açúcar. Dá para lamentar e celebrar com cada coisa vivida.

Mas ainda estamos no dia 06 de dezembro. E eu espero que o processo funil possa me ajudar a afinar tudo que precisa ser transformado para o ano que vem. Todos os campos, todas as camadas, todos os poros do meu ser serão revistos. Porque desejo profundamente acertar mais no próximo ano. Estar mais leve no próximo ano. Estar ainda mais inteira no próximo ano.

Somos seres em construção. Em evolução. Que todos os processos de cada um de nós possa nos levar a apuração do melhor que podemos ser em cada área de nossas vidas. Viver é um grande desafio. Mas viver com consciência pode fazer uma profunda e significativa diferença na nossa existência. A gente só precisa acreditar. E ter coragem para mudar.

7 ideias sobre “Processo Funil

  1. Tati, sua linda. Amanheci nessa segunda lendo esse texto. Tenho uma coisa com dezembro também. Quero arrumar a casa, arrumar gavetas, comprar essência e iluminar. Parece que para as últimas semanas do ano precisamos celebrar a caminhada e estar prontos para o novo. Mas não, não tive a coragem de fazer balanços internos. Adorei. Também queria ter feito dança de salão! ! Também não malhei o suficiente. Fui muito bem com a saúde até a metade do ano, mas aí veio o trabalho e consegui dar novos rumos e me dedicar, mas a saúde ficou de lado. . doida pras ferias chegarem para eu poder correr na beira da praia e me alongar todos os dias.Oh vida! Papel e caneta urgente! Vou abrir as portas para o novo! Beijos e mais beijos!

  2. Minha amiga, que alegria ter você em palavras! Mais um texto que me representa, rsrsrs (e representa tantas outras pessoas por aí afora, inclusive umas que nem chegarão por aqui. Não é incrível isto?). Lendo teu texto tive um insight de que, às vezes, as coisas as quais elegemos para o ano seguinte não sejam aquelas coisas das quais realmente precisamos. Se nos entregamos ao ano, em seu curso, com fé e coragem, muitas outras coisas podem entrar em nosso caminho e mudar o curso do que planejamos. Achei tão bonito você ter conquistado tudo tão diferente!!!! Beijo de amor,
    Anne Louise

  3. Tati , você me representa !! Adorei !!! Bjs Ah coloca nas intenções uma tarde comigo ?😘😘😘😘

  4. Tati, sabe o que saiu do meu funil em 2015? A oportunidade de conhecer você e ajudá-la a realizar seu sonho. Sou muito grato por isso! Ano que vem quero ver/inspirar/incendiar/provocar/facilitar mais transformações de sonhos em projetos. Essa é minha missão.

O que achou?